Skip to content
Optigrid Optigrid

Teste de Daltonismo: Entenda O que é, Tipos e Como Tratar

teste de daltonismo

Saiba mais sobre o teste de daltonismo, quais tipos existem, como essa condição afeta os indivíduos e formas de tratamento disponíveis hoje.

O daltonismo é uma condição visual que afeta a percepção das cores, impactando a vida de milhões de pessoas ao redor do mundo. 

Embora muitas vezes hereditária, essa condição pode variar em tipo e gravidade, desde dificuldades leves na distinção de cores até a incapacidade total de perceber qualquer cor. 

Para profissionais da óptica, compreender os diferentes tipos de daltonismo e as ferramentas disponíveis para diagnóstico e tratamento é essencial. Com o avanço da tecnologia, novas soluções têm surgido para melhorar a qualidade de vida dos daltônicos, facilitando a identificação e gestão dessa condição.

Este artigo explora os principais tipos de daltonismo, métodos de diagnóstico, e as inovadoras tecnologias que estão transformando o atendimento óptico.

Leia Também: Anatomia dos olhos: Estruturas e o Caminho da Imagem até o Cérebro

Descubra o que é daltonismo 

O daltonismo, ou discromatopsia, é uma condição visual que afeta a capacidade de distinguir certas cores. Esta condição surge devido a anomalias nos cones da retina, que são células fotossensíveis responsáveis pela percepção das cores. 

Existem três tipos de cones, cada um sensível a diferentes comprimentos de onda de luz correspondentes às cores vermelha, verde e azul. Quando um ou mais desses cones não funcionam corretamente, ocorre o daltonismo.

O daltonismo é, na maioria dos casos, uma condição hereditária ligada ao cromossomo X, o que explica sua maior prevalência entre os homens. Aproximadamente 8% dos homens e 0,5% das mulheres possuem algum grau de daltonismo.E a melhor forma de descobrir essa condição é fazendo o teste de daltonismo!

Entenda o que é teste de cores de Ishihara 

O Teste de Cores de Ishihara é uma ferramenta amplamente utilizada para diagnosticar o daltonismo. Este teste, criado pelo oftalmologista japonês Dr. Shinobu Ishihara em 1917, consiste em uma série de placas (ou cartões) que contêm uma matriz de pontos de cores variadas. 

Dentro dessa matriz, pontos de diferentes cores e intensidades formam números ou formas que podem ser visualizados apenas por pessoas com visão normal das cores. Aqueles com daltonismo terão dificuldade em distinguir ou não conseguirão ver esses números ou formas.

O teste de Ishihara é popular devido à sua simplicidade e eficácia. Pode ser realizado de forma rápida e sem necessidade de equipamentos sofisticados, o que o torna acessível para uso em consultórios e até em plataformas online.

Veja outros testes de daltonismo

Além do Teste de Ishihara, há outros métodos de diagnóstico para o daltonismo que oferecem diferentes níveis de precisão e acessibilidade.

Anomaloscópio de Nagel

O Anomaloscópio de Nagel é considerado um dos métodos mais precisos para diagnosticar o daltonismo. Este dispositivo permite que o paciente ajuste uma mistura de luzes até que ela corresponda a uma cor padrão. Com base nos ajustes feitos, é possível determinar o tipo e a gravidade do daltonismo. 

Apesar de sua precisão, o anomaloscópio é menos acessível devido ao seu alto custo e complexidade.

Lãs de Holmgreen

O teste das Lãs de Holmgreen é um método mais simples e prático que envolve o uso de fios de lã de várias cores. O paciente deve agrupar os fios de acordo com as cores percebidas. Esse teste é rápido e fácil de aplicar, sendo útil para uma triagem inicial de anomalias na percepção das cores.

Você vai gostar: Acuidade Visual: como é feito, quando realizar e quem deve fazer

Descubra quais são os tipos de daltonismo 

teste de daltonismo online

O daltonismo pode ser classificado em diferentes tipos, dependendo dos cones da retina afetados e da extensão da deficiência.

Tricromático 

Pessoas com daltonismo tricromático anômalo possuem todos os três tipos de cones, mas um deles não funciona corretamente. Este tipo é subdividido em:

Protanomalia

A protanomalia é caracterizada por uma dificuldade em perceber a cor vermelha. Isso ocorre porque os cones vermelhos (cones L) não respondem de forma adequada aos comprimentos de onda da luz vermelha. 

Como resultado, a intensidade da cor vermelha é percebida de forma reduzida e muitas vezes confundida com verde ou marrom. Essa condição pode afetar tarefas cotidianas que envolvem a distinção entre sinais de trânsito, frutas maduras e até mesmo a leitura de gráficos e mapas.

Deuteranomalia

A deuteranomalia é a forma mais comum de daltonismo, onde os cones verdes (cones M) não funcionam corretamente. Pessoas com deuteranomalia têm dificuldade em distinguir entre tons de verde e vermelho. Muitas vezes, eles podem perceber o verde como uma tonalidade mais apagada ou confundi-lo com outras cores, como o vermelho. 

Esta forma de daltonismo é particularmente prevalente e pode ser detectada facilmente através de testes como o Ishihara.

Tritanomalia

A tritanomalia é uma condição rara onde os cones azuis (cones S) são deficientes. Pessoas com tritanomalia têm dificuldade em perceber a cor azul e suas tonalidades. Como resultado, as cores azul e verde podem parecer semelhantes, e a distinção entre azul e amarelo também pode ser comprometida. 

Essa forma de daltonismo é menos comum e muitas vezes menos conhecida, mas pode afetar significativamente a percepção de cores no dia a dia.

Dicromático

No daltonismo dicromático, um dos três tipos de cones está completamente ausente, resultando em apenas duas cores primárias sendo percebidas. As subcategorias incluem:

Protanopia

A protanopia é a ausência completa de cones vermelhos (cones L), fazendo com que a pessoa não perceba a cor vermelha. A falta de percepção da cor vermelha significa que o vermelho é frequentemente confundido com preto ou cinza escuro. Pessoas com protanopia têm dificuldade em distinguir entre cores que contêm vermelho e outras cores, como verde e marrom.

Deuteranopia

A deuteranopia é a ausência de cones verdes (cones M), causando dificuldade em perceber a cor verde. Sem a percepção da cor verde, a pessoa pode confundir verde com vermelho ou marrom. A deuteranopia afeta a distinção entre várias tonalidades de verde, vermelho e amarelo, tornando as tarefas que envolvem cores específicas mais desafiadoras.

Tritanopia

A tritanopia é a ausência de cones azuis (cones S), levando à dificuldade em perceber a cor azul e suas tonalidades. Isso faz com que azul e verde pareçam muito semelhantes, e amarelo e violeta também sejam difíceis de distinguir. A tritanopia é rara e pode afetar a percepção de várias cores no espectro visível, influenciando atividades diárias e decisões baseadas em cores.

Acromático

tipos de daltonismo

O daltonismo acromático é o tipo mais raro e severo, onde a pessoa não consegue ver nenhuma cor, percebendo o mundo em tons de cinza. Isso ocorre devido à ausência completa ou funcionamento anômalo de todos os três tipos de cones. Pessoas com daltonismo acromático têm uma visão monocromática, o que significa que só podem perceber diferentes tons de luz e sombra, mas não cores. 

Esta condição pode ter um impacto significativo na qualidade de vida, pois muitas tarefas cotidianas dependem da percepção de cores.

Leia também: Olho Tremendo: Principais Causas e Dicas Para Cuidar [Guia]

Saiba mais sobre como tratar o daltonismo

Embora não haja cura para o daltonismo, existem várias maneiras de gerenciar essa condição e melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas.

Óculos e lentes de contato especiais podem melhorar a percepção das cores para pessoas com daltonismo, eles utilizam filtros de cores para ajustar a luz que entra nos olhos, ajudando a distinguir melhor entre as cores.

A tecnologia vem se mostrando uma aliada valiosa para as pessoas com daltonismo. Existem aplicativos para smartphones que ajudam a identificar cores, utilizando a câmera do dispositivo para fornecer uma descrição verbal ou visual da cor percebida. Estes aplicativos são especialmente úteis no dia a dia, permitindo uma maior independência.

A conscientização sobre o daltonismo é crucial. Programas de educação contínua e sensibilização podem ajudar a criar um ambiente mais inclusivo, onde as necessidades das pessoas daltônicas são reconhecidas e atendidas.